Pais, alunos e professores de escolas particulares protestaram na manhã desta segunda-feira (5) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) — Foto: Assessoria

Por G1 MT

Pais, alunos e professores de escolas particulares protestaram na manhã desta segunda-feira (5) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) e pediram a aprovação de um projeto que torna educação serviço essencial durante a pandemia em Mato Grosso.

O projeto é discutido e pode ser votado nesta segunda-feira pelos deputados.

No protesto, organizado pelo Movimento Escolas Abertas Cuiabá, os manifestantes colocaram mesas, cadeiras e cartazes com crianças pedindo a volta das aulas presenciais. Eles se dizem contra a revogação das aulas híbridas por parte da prefeitura.

“É inadmissível que escolas estejam fechadas, áreas comuns de condomínios estejam fechadas. Nossas crianças estão enclausuradas. Sendo punidas por algo que elas não têm culpa”, defendeu a presidente do movimento, Franciele Brustolin.

Medida

No dia 30 de março, a Prefeitura de Cuiabá anunciou a suspensão das aulas presenciais em creches, escolas particulares e públicas e universidades na capital mato-grossense. Será permitido tão somente o acesso dos profissionais às unidades escolares para viabilizar a gravação das aulas.

Na rede pública municipal de ensino, o retorno presencial no formato híbrido previsto para o dia 1º de abril foi suspenso. Os servidores públicos permanecerão em tele trabalho.