Por Denise Soares, G1 MT

O juiz Abel Balbino Guimarães, da 4ª Vara Criminal de Várzea Grande, aceitou a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) na sexta-feira (19).

Jefferson Rodrigues da Silva (à esquerda) e Pedro Paulo de Arruda (à direita) — Foto: Divulgação

Jefferson Rodrigues da Silva (à esquerda) e Pedro Paulo de Arruda (à direita) — Foto: Divulgação

Rosemeire desapareceu no dia 16 de fevereiro, após sair de sua casa no Bairro Dr. Fábio, em Cuiabá, para entregar mercadorias em Várzea Grande. O corpo dela foi localizado dois dias depois na estrada da Guarita, enrolado em lençóis e numa lona plástica.

Já Pedro Paulo de Arruda, de 29 anos, foi indiciado nos crimes de ocultação de cadáver, resistência à prisão e tráfico de drogas. Ele negou participação.

Empresária Rosemeire Soares Perin, de 52 anos, que estava desaparecida desde terça-feira (16) e foi encontrada morta na tarde desta quinta-feira (18) na região da Passagem da Conceição, em Várzea Grande — Foto: Polícia Militar de Mato Grosso

Empresária Rosemeire Soares Perin, de 52 anos, que estava desaparecida desde terça-feira (16) e foi encontrada morta na tarde desta quinta-feira (18) na região da Passagem da Conceição, em Várzea Grande — Foto: Polícia Militar de Mato Grosso

Na decisão, o juiz Abel também determinou a quebra do sigilo telefônico dos dois acusados para saber se há participação de outras pessoas.

O magistrado marcou a primeira audiência de instrução do caso para o dia 14 de abril e será realizada de forma virtual.

O caso

A empresária trabalhava há mais de 10 anos com a venda de produtos e embalagens para festas, máquina de sorvetes e outros equipamentos do ramo. No dia 16 de fevereiro, foi até Várzea Grande para entregar produtos que Jefferson havia adquirido e também cobrar uma dívida.

Carro da empresária foi encontrado com o cliente que confessou o assassinato em Várzea Grande — Foto: Polícia Militar de Mato Grosso

Carro da empresária foi encontrado com o cliente que confessou o assassinato em Várzea Grande — Foto: Polícia Militar de Mato Grosso

O suspeito vendia sorvetes em um supermercado em Várzea Grande, comercializava espetinho e havia adquirido uma máquina de sorvetes com a vítima no ano passado no valor de R$ 7 mil.

Meses depois, ele procurou a empresária para fazer uma manutenção na máquina e ficou devendo o valor de R$ 850 a ela.

Jefferson ainda fez outras duas aquisições, de um batedor de milk-shake e pratos plásticos, subindo a dívida total com a empresária para R$ 1,2 mil.

Além das vendas, era a própria Rosemeire que fazia a manutenção dos equipamentos.

“No dia do desaparecimento, ela foi até a quitinete dele, em Várzea Grande, para testar o equipamento que Jefferson comprou. Na ocasião ela cobrou essa dívida de R$ 1,2 mil e ele não gostou, deu uma ‘gravata’ e a vítima desmaiou. Ele a amarrou com fitas adesivas e amordaçou com uma meia”, detalhou o delegado Marcel Oliveira, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Passado um tempo, ela despertou e, segundo o suspeito declarou à polícia, ele pegou uma faca de cozinha e golpeou o pescoço da vítima.

Jefferson procurou Pedro, que aceitou ajudá-lo a se livrar do corpo da empresária.

Eles colocaram o corpo em um lençol, enrolaram, colocaram dentro de uma lona preta e enrolaram novamente em um edredom.

Depois disso, levaram o corpo até a Passagem da Conceição, onde ela foi encontrada dois dias depois.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui