Todo o estado de São Paulo vai entrar na fase vermelha a partir deste sábado (6)

DIVULGAÇÃO/GOVERNO DE SÃO PAULO

Com recorde no número de internações, paulistas terão medidas mais rígidas válidas entre 0h de sábado (6) e o dia 19 de março

 Do R7

RESUMINDO A NOTÍCIA
  • SP entra na fase mais rígida no próximo sábado (6); só atividades essenciais funcionam
  • Toque de restrição passa a valer das 20h às 5h em todas as cidades do estado de SP
  • Doria destacou que, há 41 dias consecutivos, o Brasil tem mais de mil mortes por dia por covid
  • Farmácias, supermercados, padarias, postos de combustíveis, entre outros, podem abrir

O governador João Doria (PSDB) classificou, nesta quarta-feira (3), todo o estado de São Paulo na fase vermelha por 14 dias com o objetivo de conter a alta de casos e mortes por covid-19 nos hospitais paulistas. O anúncio foi feito ao lado de membros do governo e do Centro de Contingenciamento da Covid-19, no Palácio dos Bandeirantes.

“Em São Paulo e no Brasil, estamos à beira de um colapso na saúde. Isso exige medidas urgentes”, afirmou João Doria (PSDB) para justificar o endurecimento das restrições, que começam a valer a partir da 0h do sábado (6) e vão até o dia 19 de março.

O coordenador do Centro de Contingenciamento da Covid-19 de São Paulo, Paulo Menezes, disse que, “hoje, é o dia mais difícil que já enfrentei desde o início da pandemia pelo diagnóstico da situação e pelas medidas a serem tomadas”.

“Infelizmente não temos essa coordenação para o país como um todo, mas em São Paulo enfrentamos e colaboramos com o governador”, acrescentou Menezes, antes de dizer que se tratam de medidas duras, mas essenciais para reduzir a transmissão do vírus.

LEIA TAMBÉM

O coordenador executivo do órgão, João Gabbardo, afirmou que não existe outra forma de reduzir o contágio se não com as medidas restritivas. “Hoje, o país tem o dobro de leitos de UTI comparando com o início da pandemia. Mesmo tendo dobrado, os estados apresentam cerca de 80 pessoas na fila para internar”, disse. Nesta quarta-feira, o estado registra a taxa de ocupação de leitos de UTI de 75,3%. Nas duas últimas semanas, foram 93 pacientes internados.

Nesta fase, funcionam somente os serviços considerados essenciais, como farmácias, supermercados e padarias, açougues, postos de combustíveis, lavanderias, meios de transportes, oficinas de veículos, atividades religiosas, hoteis, pousadas, bancos, pet shops e serviços de entrega.

Toque de restrições

Além do funcionamento apenas dos serviços essenciais, a secretária de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo, Patrícia Ellen, ressaltou que o toque de restrição das 20h até as 5h deve ser cumprido.

O atendimento presencial em restaurantes, comércios e lanchonetes fica proibido, mas os serviços de entrega podem funcionar normalmente. Shopping centers, academias, salões de beleza e barbearias também não podem abrir. Eventos, convenções e atividades culturais presenciais estão proibidas.

O secretário estadual de saúde, Jean Gorinchteyn, afirmou que o governo abrirá 339 leitos de UTI e 161 de enfermaria. Segundo a pasta, São Paulo aumentou em 143% o número total de leitos de UTI para enfrentar o coronavírus na pandemia.

O estado chegou a adotar medidas de restrições como toque de restrição para impedir o funcionamento de festas e eventos a partir das 23h. Além disso, a fase vermelha também já havia sido adotada para conter a disseminação do vírus das 22h às 6h. Apesar das medidas, os números de internações continuaram a crescer e hoje diversos municípios do interior, como Araraquara e Mogi Guaçu, adotaram medidas de lockdown mais rídigas.

Grande São Paulo estava classificada na fase laranja do plano de flexibilização econômica. Mesmo com as proibições no funcionamento de bares e restrições para restaurantes, membros do Centro de Contingenciamento avaliaram que a situação do estado e de todo o país era crítica.

O estado apresentou, na 9ª semana epidemiológica, 14,7% a mais de internações por covid-19 do que o registrado no pico da primeira onda da doença, em julho do ano passado.

O tempo que os pacientes passam nas UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) também aumentou e passou do intervalo de sete a 10 dias de permanência nos leitos para 14 dias de internação. Em relação ao número de casos, houve um aumento de 9,7% comparado à semana epidemiológica anterior.

Na sexta-feira (26), foi registrado 13% de elevação no número de novas internações. Nesta segunda-feira, o aumento de novas internações tanto de enfermaria quanto de UTIs foi de 18,3%. “Temos que parar a velocidade e a instalação da pandemia. Imploramos, já não pedimos, que a população colabore”, disse o secretário.

O coordenador executivo do Centro de Contingência da Covid-19, João Gabbardo, afirmou que o momento que o país vive em meio a segunda onda da doença é crítico. “O país inteiro está colapsando, então, não é mais possível que as medidas fiquem na responsabilidade apenas dos gestores estaduais, governadores e prefeitos. É impossível que a gente fique nessa pandemia sem uma unificação de conduta, do que pode e o que não pode”, diz.

“O Ministério da Saúde tem de assumir as responsabilidades desse processo, deve dizer a partir de agora que está proibido qualquer tipo de aglomeração e evento, o toque de recolher a partir das 20h em todo o país, o fechamento das praias por um determinado período, o reconhecimento de um estado de emergência e um Plano Nacional de Comunicação. Isso é fundamental para que tenhamos algum resultado daqui para frente.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui