Doria é questionado sobre reserva técnica para aplicação da segunda dose

CARLA CARNIEL/REUTERS

Ofício enviado hoje faz várias questões sobre como o estado de SP enfrenta a pandemia. Governador tem 15 dias para responder

 Do R7

A Defensoria Pública da União enviou, nesta quinta-feira (8), um ofício ao governador de São paulo, João Doria. Após a intimação, ele terá 15 dias para prestar uma série de esclarecimentos relacionados a vacinação em São Paulo e sua estratégia de imunização.

A Defensoria cobra, entre várias informações, o número efetivo de doses de vacinas recebidas pelo governo de São Paulo dos mais diversos fornecedores – União e empresas fabricantes por meio de aquisição direta – e o número de doses efetivamente aplicadas até terça-feira (6).

A Defensoria pede ainda detalhes “sobre o tempo gasto, em média, entre o recebimento de doses de vacina para a Covid-19, de acordo com cada fornecedor, e a efetiva aplicação no paciente”.

Doria terá ainda que explicar como usou os “recursos ordinários e extraordinários repassados pela União e orçamento do próprio voltados ao enfrentamento da Pandemia da COVID-19”. Se tiver saldo positivo, a gestão tucana também terá que informar a Defensoria.

Para completar, ainda terá que mostrar a evolução do uso de leitos por covid-19, bem como a quantidade de oxigênio hospitalar e medicamentos para intubação utilizados no estado.

O documento é assinado pelo defensor público geral federal, Daniel de Macedo Alves Pereira, e pelo defensor nacional dos direitos hmanos, André Ribeiro Porciúncula. Ao todo são 17 questões sobre o enfrentamento da pandemia pelo governo de São Paulo – tema em que em várias situações opôs o governador João Doria ao presidente da República, Jair Bolsonaro.

O governo de São Paulo ainda não se pronunciou sobre o ofício. A reportagem do R7 e o blog tentam contato e, assim que houver retorno, a resposta será adicionada ao texto.

Veja o documento na íntegra:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui