Lucas Ferrante — Foto: Reprodução

Por Luciana Rossetto e Leandro Guedes, G1 AM

“A circulação do vírus em Manaus está desenfreada e isso pode propiciar inclusive novas mutações tornando uma linhagem resistente à vacina”, afirmou Ferrante. “O caso de Manaus pode se tornar um problema de saúde pública mundial”.

No decreto em vigência atualmente e válido até o dia 14 de fevereiro, o governador Wilson Lima flexibilizou o funcionamento de alguns setores do comércio, permitindo a venda por delivery, e restringiu a circulação de pessoas em espaços e vias públicas entre 19h e 6h.

No ponto de vista do pesquisador, a abertura atual está acontecendo em um momento em que o fechamento deveria ser ainda mais rígido. Ele afirma que nunca houve, de fato, um isolamento rigoroso na cidade e que as medidas restritivas não conseguem frear a transmissão comunitária. Para Ferrante, a falta do isolamento social rígido pode inclusive prejudicar economicamente a região a longo prazo.

No dia 21 de janeiro, o cientista conta que teve uma reunião com o prefeito David Almeida, recomendando um lockdown extensivo para a cidade.

“O aviso da segunda onda estava amplamente difundido, não dá para utilizar a desculpa que foi a nova variante que surgiu que causou a nova onda, até porque essa variante surgiu entre agosto e janeiro. Ela é muito recente para ter propiciado isso e os danos que essa variante vai causar ainda serão vistos”, afirmou.

Para o restabelecimento econômico de Manaus, o cientista defende que é necessário realizar um isolamento social de 20 dias a um mês para que seja evitada a ocorrência de uma terceira onda em 2021.

No ano passado, após a primeira onda de Covid-19 em Manaus, Ferrante chegou a coordenar uma nota técnica, a pedido do Ministério Público do Amazonas, para recomendar restrições na circulação em junho – mesma época em que o governador havia decidido reabrir o comércio no estado. Os modelos epidemiológicos que previam a segunda onda foram apresentados para a Fundação de Vigilância em Saúde e em reuniões na Assembleia Legislativa do Amazonas.

Ainda em junho, o grupo de pesquisa do qual o cientista faz parte publicou um trabalho na revista Nature, alertando que Manaus passaria por uma segunda onda de Covid-19 no final do ano passado e início de 2021 justamente pela negligência de não adotar um isolamento social rígido.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui