Foto: Reprodução/Ilustração

Da Redação – Vinicius Mendes

O juiz Fernando Kendi Ishikawa, da Vara Única de Nova Ubiratã (a 477 km de Cuiabá), deferiu o processamento da recuperação judicial do produtor rural Clovis Antônio Cenedese, que possui dívidas de mais de R$ 24 milhões. O produtor recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para conseguir o deferimento.

 Leia mais:
Juiz condena seis membros do Comando Vermelho a penas de 3 a 7 anos de prisãoClovis Antônio Cenedese relatou que atua no cultivo de grãos (arroz, milho e soja) na região de Nova Ubiratã desde 2003. Ele contou que seu pai veio de Santa Catarina para Mato Grosso em 1079 e comprou uma fazenda, onde Clovis, filho mais velho, ajudava nos afazeres. Em 1988 ele se casou, comprou uma propriedade e se tornou independente dos pais. Ele alcançou bons resultados e em 2003 comprou a fazenda em Nova Ubiratã.

Nos anos seguintes ele enfrentou diversas crises, como desvalorização da safra e crises climáticas. Ele tentou negociar as dívidas, mas suas tentativas não conseguiram quitar os passivos.

No pedido o produtor rural afirmou que a “Fazenda Conquista – Gleba Capem”, situada em Nova Ubiratã, como o principal estabelecimento. Relatou, ainda, que já enfrenta grave crise econômica-financeira, que se agravou a partir da safra 2015-2016, por variados fatores, sendo que todas as medidas adotadas foram insuficientes para superar as dificuldades de caixa.

A princípio a Justiça indeferiu o pedido de recuperação judicial do produtor alegando ausência do requisito temporal exigido. Clovis recorreu ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso, que também negou o recurso. Ele então buscou o STJ.

“O STJ, por maioria, deu provimento ao recurso para ‘determinar o retorno dos autos à origem a fim de que se analise, a partir da documentação apresentada, se o requerente comprovou o desempenho de atividade empresarial por dois anos, a subsidiar seu pedido de recuperação judicial, nos termos da fundamentação supra’”, citou o juiz.

Segundo o magistrado, da análise do pedido e dos documentos que o acompanharam, verificou-se que está demonstrado o cumprimento dos requisitos estabelecidos. Com base nisso o processamento da recuperação judicial foi deferido.

“Embora a parte autora tenha comprovado o prévio registro na Junta Comercial do Estado de Mato Grosso (JUCEMAT) com menos de 30 dias do ajuizamento do presente pedido, é inequívoco pelos documentos fornecidos, que aquele exerce atividade rural por mais tempo que o biênio legal exigido pelo artigo 48, caput da LRF”.

O juiz determinou a suspensão de todas as ações ou execuções contra o produtor rural pelo prazo de 180 dias. Também determinou que ele apresente plano único de recuperação judicial, no prazo de 60 dias, sob pena de convolação em falência.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui