Com assistência técnica e gerencial, produtores de hortaliças de Tangará da Serra estão conseguindo melhorar o desempenho da atividade. Do manejo de campo, à gestão do negócio, as orientações dos técnicos do Senar-MT têm ajudado a fazer a diferença nos resultados. É o que afirma a agrônoma Jeniffer Bastos, que é técnica de campo do programa Senar Tec Horticultura.

“Nós estamos com 30 propriedades na área de olericultura sendo assistidas. São produtores que anteriormente não apresentavam nenhum tipo de assistência técnica. Nós estamos auxiliando tanto na parte técnica de condução das culturas, bem como na gestão também destas propriedades. E essa parte de gestão tem mostrado para os produtores que os custos deles são às vezes maiores do que eles acreditam ser e assim eles consegue tomar melhor quais serão as decisões daquela propriedade”, disse.

A cada 15 dias as propriedades recebem a visita dos técnicos. Eles identificam os gargalos e apontam soluções. Muitas vezes a falta de um bom planejamento é a maior das barreiras.

“Nós temos produtores com muitos anos de experiência, produtores com 10, 20, 30 anos de experiência. Temos também produtores que iniciaram recentemente. Mas o planejamento é um ponto essencial com os produtores. Eles vão conseguir, com o planejamento, determinar quais são as melhores culturas, qual a melhor época de cultivo, e – principalmente – a parte de gestão de custos. O produtor precisa conhecer quanto custa para produzir aquela determinada cultura. Conhecer também o mercado é algo que deve ser observado, saber se aquela cultura, bem como a quantidade que ele vai produzir, será absorvida pelo mercado”, explica.

Na chácara Santo Expedito, por exemplo, o desempenho no campo já era satisfatório. Mas a gestão, deixava a desejar. “O produtor já apresentava uma grande produtividade, mas não conhecia o seu lucro e nem os seus custos. Com o nosso acompanhamento, hoje ele tem conhecimento de quanto custa produzir as culturas que ele tem na propriedade, bem como também conhece melhor a sua rentabilidade. Isso é um grande diferencial”, comenta Jeniffer.

As dicas para o melhor manejo das culturas também fizeram a diferença na chácara Iracema. A produtividade das couves aumentou 30% e a qualidade das folhas garantiu mais espaço no mercado. “Nesta propriedade nós trabalhamos várias situações. Uma delas foi o manejo fitossanitário, havia muitos problemas com relação ao ataque de pragas e doenças, principalmente na cultura da couve. Hoje o manejo está sendo feito corretamente e nós conseguimos aumentar a produtividade e a qualidade desses maços de couve que são comercializados. Hoje não se tem perda de produção porque as folhas estão realmente com uma qualidade muito superior”, relata.

Desempenho da Chácara Iracema melhorou após as orientações

A produção de tomates é a principal aposta na chácara Dalla Roza. A colheita agora é a primeira após a orientação dos técnicos do Senar. A expectativa é grande. “Na cultura do tomate a propriedade também tinha problemas no manejo fitossanitário, principalmente com o ataque de pragas que aparece bastante nesta cultura. E hoje estamos começando o início da colheita do tomate e já observamos que há aumento na quantidade de frutos, porque não há essa perda provocada pelas pragas, e também na qualidade. O que é muito bom para a comercialização.”

A colheita será promissora na Chácara Dalla Roza

Quem recebe o apoio, reforça a importância do conhecimento e demonstra a satisfação por poder trilhar um caminho novo e mais promissor. “Melhorou bastante a produção, cresceu bastante de dois anos prá cá, depois do acompanhamento do Senar-MT. A horta aumentou bastante, o sistema de adubação orgânico melhorou a qualidade da salada e vem o lucro no final”, comemora o produtor Cleumir Gomes da Silva, um dos assistidos pela equipe do Senar Tec Horticultura.

Fonte: Canal Rural

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui