Por Jônatas Boni, G1 RO

Em uma nota conjunta, as famílias Balieiro e Miglioranza informaram que desde o afogamento do menino, em 20 de dezembro, os médicos trabalhavam na esperança que o quadro clínico da criança evoluísse.

“Durante todo esse tempo o bebê respirou com auxílio de aparelhos o que preservou o funcionamento de seus órgãos. Com a retirada dos sedativos, Adam chegou a movimentar membros do corpo. No entanto, segundo os médicos, tratavam-se de movimentos involuntários. Após a emissão do laudo médico, constatou-se a morte encefálica”, diz o comunicado da família.

Com a morte encefálica confirmada, os pais de Adam optaram em doar os órgãos do filho. “Um gesto de amor e generosidade”, escreveram os familiares no Facebook.

O corpo do menino não deve ser transferido para Vilhena, pois a família optou em fazer o velório na cidade de Cuiabá.

Na mesma nota conjunta, as famílias agradeceram o apoio médico, policial e de amigos que ficaram na torcida pela melhora de Adam.

Afogamento

Adam se afogou na piscina de casa no dia 20 de dezembro, em Vilhena. Ele teria engolido muita água, segundo a família.

Chegando no Hospital Regional da cidade, a equipe médica conseguiu reanimar a criança, que teve de ser transferida de avião um dia depois para uma UTI pediátrica de Cuiabá.

Nos últimos dias, uma corrente de oração se formou nas redes sociais para Adam. No dia 24 de dezembro, uma tia chegou a comemorar a melhora do sobrinho internado.

“Hoje começa nosso Milagre de Natal!!! Hoje começam a diminuir os sedativos do nosso pequeno grande guerreiro. Aos poucos ele deverá despertar do seu soninho da beleza. Já está sendo alimentado por sonda, aos poucos ele recebe seu Tetê. Nossas orações continuam e as correntes só aumentam. Gratidão Sempre. Não me cansarei de agradecer por tudo é por todos”, escreveu a tia, à época.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui